Selectas dos “Analectos”

Da Escola de Confúcio. China, século V a.C.

 

Sabedoria de vida

Tzu-hsia, o discípulo de Confúcio, disse, “Um homem que consegue poupar energia após estudar deveria servir seu Estado. Um homem que consegue poupar energia após servir seu Estado deveria estudar.”
                                                                                                                                                     (19:13)

Tzu-kung perguntou, “Há alguma palavra que possa servir como princípio guia para a conduta de toda uma vida?” Confúcio disse, “É a palavra altruísmo (shu). Não faça aos outros aquilo que não quer que façam a você.”
                                                                                                                                                     (15:23)

Tzu-kung perguntou quem era o melhor homem, Shih ou Shang. Confúcio disse, “Shih vai longe demais e Shang longe de menos.” Tzu-kung disse, “Então Shih é melhor?” Confúcio disse, “Ir longe demais é o mesmo que longe de menos.”
                                                                                                                                              (11:15)

Tzu-lu perguntou sobre servir os seres espirituais. Confúcio disse, “Se não somos capazes de servir o homem, como podemos servir seres espirituais?” “Arrisco-me a perguntar sobre a morte” [disse Tzu-lu]. Confúcio disse, “Se ainda não sabemos sobre a vida, como podemos saber sobre a morte.”
                                                                                                                                              (11:11)

Confúcio disse ao seu discípulo Tzu-lu, “Devo ensinar-lhe o caminho para adquirir conhecimento? Dizer que você sabe quando você sabe e dizer que você não sabe quando você não sabe – este é o caminho para o conhecimento.”
                                                                                                                                              (2:17)

Confúcio disse, “Tenha uma fé sincera e ame o estudo. Não tenha medo de buscar o bom Caminho, o Tao. Não entre num Estado em ruínas nem permaneça em um Estado caótico. Quando o Tao prevalecer no império, então se apresente; quando não prevalecer, esconda-se. Quando o Tao prevalecer em seu próprio Estado e você for pobre e estiver numa posição humilde, envergonhe-se de si mesmo. Quando o Tao não prevalecer no seu Estado e você for rico e numa posição honorável, envergonhe-se de si mesmo.”
                                                                                                                                              (8:13)

Fan Ch’ih perguntou sobre a sabedoria. Confúcio disse, “Devote-se sinceramente aos deveres devidos aos homens e respeite os seres espirituais, mas mantenha-os à distância. Isso pode ser chamado sabedoria.” Fan Ch’in perguntou sobre a humanidade. Confúcio disse, “O homem de humanidade primeiro considera o que é difícil no desafio e depois pensa no sucesso. Um tal homem pode ser chamado humano.”
                                                                                                                                              (6:20)

 

O homem superior

Confúcio disse, “Um homem superior, ao lidar com o mundo, não é a favor de nada nem contra nada. Ele segue a justiça como a um estandarte.”
                                                                                                                                              (4:10)

Confúcio disse, “O homem superior pensa na virtude; o homem inferior pensa nas posses. O homem superior pensa em sanções; o homem inferior pensa em favores pessoais.”
                                                                                                                                              (4:11)

Confúcio disse, “O homem superior deseja ser lento nas palavras mas diligente na ação.”
                                                                                                                                              (4:24)

Confúcio disse, “O homem superior tem nove desejos. Ao ver ele deseja ver claramente. Ao ouvir ele deseja ouvir distintamente. Em suas expressões ele deseja ser caloroso. Em sua aparência ele deseja ser respeitoso. Em sua fala ele deseja ser sincero. Na condução dos negócios ele deseja ser sério. Quando em dúvida ele deseja perguntar. Quando irritado, ele deseja pensar nas consequências. E quando ele vê uma oportunidade de ganho, ele deseja pensar na retidão.”
                                                                                                                                              (16:10)

Confúcio disse, “O homem superior reverencia três coisas. Ele reverencia o Mandato do Céu; ele reverencia os grandes homens; e ele reverencia as palavras dos sábios. O homem inferior ignora o Mandato do Céu e não o reverencia. Ele é desrespeitoso para com os grandes homens e insolente em relação às palavras dos sábios.”
                                                                                                                                              (16:8)

Confúcio disse, “O homem superior busca [a oportunidade de retificar ou a ocasião de recriminar] a si mesmo; o homem inferior busca isso nos outros.”
                                                                                                                                              (15:20)

Confúcio disse, “O homem superior não confia um ofício a um homem em função das suas palavras; nem rejeita as suas palavras em função do homem.”
                                                                                                                                              (15:22)

Confúcio disse, “O homem superior é digno, porém não orgulhoso, o homem inferior é orgulhoso, porém não digno.”
                                                                                                                                              (13:26)

Tzu-lu disse, “O soberano de Wei espera que o senhor o sirva em sua administração. Qual será a primeira medida?” Confúcio disse, “Certamente dirá respeito à retificação dos nomes.” Tzu-lu disse, “É mesmo? O senhor errou o alvo de longe. Por que deveria haver uma tal retificação?” Confúcio disse, “Como você é inculto! Em relação àquilo que não conhece, o homem superior deveria manter uma atitude de reserva. Se os nomes não forem retificados, então a linguagem não estará de acordo com a verdade. Se a linguagem não estiver de acordo com a verdade, então não se pode realizar nada. Se não se pode realizar nada, então os rituais e a música não florescerão. Se os rituais e as músicas não florescerem, então as punições não serão justas. Se as punições não forem justas, então o povo não saberá como mover suas mãos ou pés. Portanto o homem superior só empregará nomes que podem ser descritos no discurso e dirá somente o que pode ser concretizado na prática. Em relação às suas palavras, o homem superior não é leviano. Isso é tudo.”
                                                                                                                                              (13:3)

Confúcio disse, “O homem superior é conciliador mas não se identifica com outros; o homem inferior se identifica com outros mas não é conciliador.”
                                                                                                                                              (13:23)

 

Confúcio e sua doutrina

Confúcio disse, “Aos quatorze minha mente foi firmada no estudo. Aos trinta meu caráter foi formado. Aos quarenta já não tinha mais perplexidades. Aos cinquenta eu conheci o Mandato do Céu. Aos sessenta eu estava sereno ante tudo aquilo que ouvia. Aos setenta eu pude seguir o desejo de meu coração sem transgredir os princípios morais.”
                                                                                                                                              (2:4)

Certa vez, quando Tzu-lu parou no Portão de Pedra [da cidade de Lu] pela noite, o sentinela lhe perguntou, “De onde você vem?” Tzu-lu disse, “De Confúcio.” “Ah, esse é aquele que sabe que uma coisa não pode ser feita e mesmo assim quer fazê-la?”
                                                                                                                                              (14:41)

Confúcio disse, “Lembrar silenciosamente [do que eu estudei], estudar com determinação, e ensinar os outros sem me cansar – isso é natural para mim.”
                                                                                                                                              (7:2)

Confúcio disse, “Ai de mim! Ninguém me conhece!” Tzu-kung disse, “Por que não há ninguém que o conheça?” Confúcio disse, “Eu não me queixo do Céu. Eu não culpo os homens. Eu estudo as coisas no nível mais baixo, mas minha inteligência penetra o nível mais alto. É o Céu que me conhece.”
                                                                                                                                              (14:37)

Confúcio disse ao seu discípulo Tseng Tzu, “Há um fio que corre por todas as minhas doutrinas.” Tseng Tzu disse, “Sim.” Depois que Confúcio partiu, os discípulos lhe perguntaram, “O que ele quis dizer?” Tseng Tzu replicou, “O caminho do nosso mestre não é outro senão a consciência e o altruísmo.”
                                                                                                                                              (4:15)

Yen Yüan [o discípulo predileto de Confúcio] e Tzu-lu estavam presentes. Confúcio disse, “Que tal cada um de vocês me dizer a sua ambição na vida?” Tzu-lu disse, “Eu gostaria de ter um cavalo, uma carruagem e um casaco de peles, e compartilhá-los com os amigos, e não me entristecer quando eles se desgastarem.” Yen Yüan disse, “Eu gostaria de nunca alardear minhas boas qualidades e nunca me vangloriar pelas tribulações que assumi [pelos outros].” Tzu-lu disse, “Eu gostaria de saber a sua ambição.” Confúcio disse, “A minha ambição é confortar o velho, ser fiel aos amigos, e animar o jovem.”
                                                                                                                                              (5:25)

Cultura e educação

Confúcio disse, “Pela natureza os homens são iguais. Através da cultura eles se diferenciam de longe.”
                                                                                                                                              (17:2)

Confúcio disse, “Um homem que revisita o velho para descobrir o novo é qualificado para ensinar os outros.”
                                                                                                                                              (2:11)

Confúcio disse ao seu discípulo Tzu-lu, “Você nunca ouviu falar das seis virtudes e dos seis obscurecimentos?” Tzu-lu respondeu. “Nunca”. Confúcio disse, “Então, sente-se. Eu lhe contarei. Aquele que ama a humanidade mas não ama o estudo será obscurecido pela ignorância. Aquele que ama a sabedoria mas não o estudo será obscurecido pela falta de princípios. Aquele que ama a fidelidade mas não ama o estudo será obscurecido pela dureza de coração. Aquele que ama a retidão mas não ama o estudo será obscurecido pela violência. Aquele que ama a força de caráter mas não ama o estudo será obscurecido pela imprudência.”
                                                                                                                                              (17:8)

Confúcio disse, “Na educação não deveria haver distinção de classes.”
                                                                                                                                              (15:38)

Confúcio disse, “Somente os mais inteligentes e os mais estúpidos nunca mudam.”
                                                                                                                                              (17:3)

Confúcio disse, “Aquele que estuda mas não pensa está perdido; aquele que pensa mas não estuda está em perigo”.
                                                                                                                                              (2:15)

 

A arte de governar

Confúcio disse, “… eu ouvi que aqueles que administram um Estado ou uma família não se preocupam com que haja poucas pessoas, mas se preocupam com a distribuição desigual de riqueza. Eles não se preocupam com a pobreza, mas se preocupam com a falta de segurança e de paz para o povo. Pois quando a riqueza for distribuída equitativamente, não haverá pobreza; quando houver harmonia, não haverá problema por haverem muito poucas pessoas; e quando houver segurança e paz, não haverá perigo para o Estado…”
                                                                                                                                              (16:1)

Chi K’ang Tzu perguntou a Confúcio sobre o governo. Confúcio replicou, “governar é retificar. Se você conduz o povo retificando-se a si mesmo, quem ousará não ser retificado?”
                                                                                                                                              (12:17)

O duque Ching de Ch’i perguntou a Confúcio sobre o governo. Confúcio replicou, “Que o governante seja um governante, o ministro seja um ministro, o pai seja um pai, e o filho seja um filho.” O duque disse, “Excelente! De fato quando o governante não é um governante, o ministro não é ministro, o pai não é pai e o filho não é filho, ainda que eu tenha todos os grãos, acaso chegarei a comê-los?”
                                                                                                                                              (12:11)

Tzu-kung perguntou sobre o governo. Confúcio disse, “Comida suficiente, armamento suficiente, e suficiente confiança do povo.” Tzu-kung disse, “Se fosse forçado a abrir mão de uma dessas coisas, qual abandonaria primeiro?” Confúcio disse, “Eu abandonaria o armamento.” Tzu-kung disse, “Forçado a abrir mão das outras duas coisas, qual abandonaria primeiro?” Confúcio disse, “Eu abandonaria a comida. Houve mortes desde os tempos imemoriais, mas nenhum estado pode existir sem a confiança do povo.”
                                                                                                                                              (12:7)

Tzu-kung disse, “Se um governante puder conferir abundantemente benefícios ao seu povo e puder trazer a salvação para todos, o que você pensa dele? Você o chamaria um homem de humanidade?” Confúcio disse, “Por que somente um homem de humanidade? Ele é sem duvida um sábio. Mesmo [os imperadores sábios] Yao e Shun fracassaram nisso. Um homem de humanidade, querendo edificar o seu próprio caráter, também edifica o caráter dos outros, e desejando ser proeminente, também busca dar proeminência aos outros. Ser capaz de julgar os outros por aquilo que nos é mais próximo pode ser chamado o método de se realizar a humanidade.”
                                                                                                                                              (6:28)