Livros livres – Em defesa da liberdade de imprensa

John Milton, 1644 d.C – Em Atenas, onde livros e cabeças estavam sempre mais ocupados do que em qualquer outra parte da Grécia, eu encontro somente dois tipos de escritos que os magistrados se preocupavam em notar; aqueles blasfemos ou ateístas, e os caluniosos. Assim os livros de Protágoras foram por ordem dos juízes do Areópago mandados ao fogo. . . .